Todos voltaram, todos estão sempre presentes

                Sim, todos os nossos camaradas voltaram connosco. Da minha companhia,

    onde o relacionamento era mais próximo, por lá ficaram , fisicamente, o  Domingos

    Zeferino Vilas Boas, morto em combate na picada Mocimboa do Rovuma / Mueda, no

    dia 6 de Setembro de 1967, Helder Fetais Pereira, morto em combate  no Vale de Miteda,

    no dia 27 de Novembro de 1967 e Justino Martins da Cunha, morto por acidente com

    arma de guerra, no própria quartel, no dia  3 de Junho de 1967. Todos foram sepultados

    no cemitério de Mueda.

                Ficaram lá sim, mas continuam connosco, com as nossas conversas , pois

    continuamos a contar as peripécias que os rodearam.

                Quando nos despedimos de Moçambique, no desfile em Lourenço Marques, o

    lugar deles, habitual dentro de cada pelotão, foi deixado um espaço simbolizando a sua

    presença.

                Mesmo aqueles que continuam a partir, após regresso, são sempre lembrados

    no nosso encontro anual do batalhão, ou quando esporádicamente nos encontramos fora

    dessa celebração.

                Foi o que restou daquela tormenta que a nossa geração passou, a camaradagem ,

    a amizade que ainda hoje, passados 50 anos, perdura.

                Quando alguém caia, caia um pouco de todos nós.

                Do  batalhão por lá ficaram 12 camaradas, 3 da minha companhia,  1710 Mueda , 

   
3 da 1711, Diaca e 6 da 1712, Sagal.

                                 Linda-a- Velha, Agosto de 2018

  
 Regressar ao cantinho do Monteiro