ESCRITA CRIATIVA

 

Exercício nº.27

 

           

 

A SALSA DA NOSTALGIA

 

            Falar da SALSA requer, primeiro do que tudo, conhecê-la. Seria imprudente falar, apenas pelo que se pode ver, ouvir, ou sentir. Por isso, tive que aprender como apareceu, o ritmo, a composição básica das orquestras e sentir o que canta a alma dos poetas.

            Antes de mais, deve-se dizer que SALSA é o termo castelhano para molho ou tempero. E este molho, composto de vários sabores tropicais, é um género musical recente, nascido no “Barrio Latino” de Nova Iorque, no final dos anos 60, da nostalgia de cubanos e porto-riquenhos emigrados para os Estados Unidos da América.

            A SALSA, contém os temperos da Rumba e do Mambo, de Cuba, a Bomba e a Plena, de Porto Rico, com umas pitadinhas que lhe dão ainda mais paladar, do Merengue, da República Dominicana; do Calipso, de Trinidad e Tobago; do Cumbi, da Colômbia; do Reggae, da Jamaica e, ainda, outros sabores. E este molho assim conseguido, enriquece-se no ritmo forte e alegre ao som dos timbales, da conga, das maracas, dos bongôs, do trés (instrumento cubano de três cordas duplas), do piano, dos metais e outros. Por isso, é um género musical que congrega várias nacionalidades, unidas na mesma língua e no sentimento comum das saudades da pátria distante,

            Mas se a dança é alegre e ligeira, já as poesias cantadas falam de dor, de pranto, da nostalgia da sua terra, das suas aldeias e cidades, do luar e do calor tropical. Retratam a memória das canções entoadas nos seus países e da distância que lhes sufoca a alma. Algumas das poesias dessas canções, são muito belas e a dança ritmada, sensual e, algumas vezes, erótica nos seus requebros e nas suas voltas, com passos bem definidos, empresta-lhe uma alegria contagiante e, ao mesmo tempo, dramática.

            A palavra “mambo” é um termo nativo de Cuba que significa “Abre os olhos e ouve”. Por isso, se não souberes dançar a Salsa, senta-te simplesmente e abre os olhos para apreciares os dançarinos; mas ouve atentamente as palavras dessas canções que, assim, te tocarão bem fundo e te chegarão ao coração.

            “MI TIERRA” é um tema com uma poesia muito bela e tocante, que fala dos sentimentos dos emigrantes, das suas raízes que estão na terra e no seu sangue, que os toca no fundo da alma e que suspira por eles. Por isso deve ser encarado assim: Abrindo os olhos e ouvindo…

                       

 

ABRE OS OLHOS E OUVE

 

Abre os olhos e ouve,

Como essa música frenética e sensual,

Cantada em tom sentido, sem igual,

Tem poesia, tem dor, tem paixão,

Como te cala, fundo, no coração.

 

Abre os olhos e vê,

Como os pares rodopiam, se requebram,

Em volteios e passos, que celebram

A alegria de sentir e de viver,

Mesmo quando se está a sofrer.

 

Abre os olhos meu Amigo,

Para esta música, para este som,

Deixa-te possuir por este dom,

De sentir, de amar a tua terra,

E tudo o que ela encerra.

 

Abre os olhos e crê,

Que esta dor pode ser bela,

Quando se fala de uma estrela,

Quando sentir é ser-se gente

Que ama e que sofre ardentemente.

 

Para ti,

Meu Irmão,

Meu Amigo,

Meu Companheiro,

Abre os olhos e sente!

  

                                                                               Diamantino A. Santos   Aluno UNISETI (Montijo), nº. 71              

Regressar ao Cantinho do Diamantino