Piscina do Ferroviário de Nampula, férias em 1967


                                             És o neto do Sr.  Pascoal ??????

                 
Nasci em Tentúgal e apesar de ter saido para Lisboa muito novo , com os meus Pais, sempre ali regressei nas

            férias escolares. Fiz amigos, os da minha geração, e relacionei-me muito mais com os da minha rua. Foi ali

            que aprendi a andar de bicicleta, na do meu avô, e como ainda não chegava ao selim coloquei a perna esquerda

            entre o quadro e assim podia pedalar, era assim que via os miudos por lá. Grandes corridas de bicicleta, mais ou

            menos malandrices e assalto, apenas por prazer, aos pomares para comer fruta e algumas vezes não aproveitada.

                        O  tempo foi corria e sempre fui passando o período de férias na minha terra e assim estreitando a

            amizade com os amigos da minha rua.

                        Chegou o tempo de tropa,  que apanhou toda a minha geração, chegou Moçambique e chegou Mueda. Aqui

            passados alguns meses, que se sentem sempre muitos, fui de férias para Nampula, numa boleia de DO da força aérea,  

            arranjada pelo meu amigo Lemos, que também foi comigo.

                        Apenas havia dois lugares sentados, um para o piloto e outro era ocupado pelo capelão da força aérea. Se houvesse

            alguma problema tinhamos ali uma protecção divina. Eu, o  Lemos e um cabo especialista íamos sentados em cima das

            malas no bojo do pequeno avião. Foi uma viagem fantástica, como voa a pouca altitude tudo se vê com bastante nitidez,

            as pessoas, as palhotas e até os trilhos. Tudo ia bem até que, perto de Nampula apanhamos um poço de ar e imediatamente

            chamei o " Gregório " e despejei o pequeno almoço  para cima das malas.

                        Em Nampula arranjámos boleia numa ambulância Unimog  que nos levou para o centro da cidade. Dirigimo-nos

            para a pensão Arriscado, que já nos tinham recomendado. Nampula era uma cidade muito sossegada, onde se viam muitos

            militares. Aos poucos fomos arranjando a nossa rotina, após o almoço o café era tomado na esplanada do hotel Portugal

            seguindo-se a piscina do Ferroviário e depois do jantar normalmente havia cinema.

                        O tempo foi correndo, e nestas circunstâncias sempre muito depressa, até que uma bela tarde estava eu sentadinho

            numa cadeira junto á piscina,  quando sinto tocarem-me nas costas e volto-me imediatamente dou por um jovem mais ou menos

            da minha idade:

            O que se passa, perguntei.

            -  És o neto do Sr. Pascoal, de Tentúgal??????

            Não respondi de imediato porque fiquei estupefacto e não reagi de imediato.

            Claro que sou, e tu??????

            - Também moro em Tentúgal , na mesma rua mas um pouco mais acima.

                        Começou imediatamente uma estimulante conversa, ele a descrever a sua família e a dizer que conhecia muito bem

            a minha. Tinha chegado nesse dia e deixou as malas num café porque não tinha encontrado pensão. Na minha pensão apenas

            no dia seguinte tinha vaga, por isso dormiu no meu quarto. Não fazia parte dos meus amigos de infância, por isso não o ter

            reconhecido, mas passamos grande parte da noite a relembrar coisas de Tentúgal, para desespero do meu amigo Lemos  que

            queria dormir.


                                        Linda-a-Velha, Junho de 2020

Regressar ao Cantinho do Monteiro