Niassa  ( Ou o barco da tristeza )


                        Foi no dia 12 de Abril de 1967 que embarcámos, de comboio, em Vila Real com destino á estação

            de Santa Apolónia e daí, em autocarros, de primeiro andar, para a estação maritima da Rocha Conde de Óbidos.

                        Alguns familiares e amigos lá estávam para se despedir de mim.O meu pai saiu de casa com a intenção

            de me dar um abraço, no entanto não conseguiu e voltou para casa, para junto da minha nãe.

                       O cais estáva apinhado de gente, muito choro misturado com gritos e lágrimas.

                        Toca o Hino Nacional, o barco começa a afastar-se.A bordo, a palavra que mais se ouve é - MÃE -.Os

            nossos semblantes estávam carregados, não havia sorrisos.Tudo isto nos apanhou com apenas vinte/vinte e dois anos,

            no inicio da nossa juventude.Era a primeira vêz que me separávam  dos meu familiares, por tão longo tempo.

            Conjuntamente com alguns camaradas, fomos para o refeitório tomar o pequeno almoço, indo o barco quase a

            sair a barra, tendo como pano de fundo a marginal. Já na mesa, fomos surpreendidos com um pequeno almoço

            de garfo, arroz com salsichas , pois como iamos para Moçambique alí era costume tal mata-bicho.

                        A vida a bordo teria que sêr diferente, alguns exercicios de salvamento, muito descanso e por vezes

            cinema nocturno.Marcou-me, ainda hoje me lembro, as condições de viagem dos praças, pois era nos porões

            que se encontrávam as camas. Cerca de oito dias depois, fizemos a nossa primeira paragem em Luanda.Já estávamos em

            África, o que para nós era tudo absolutamente novo.De novo a bordo, rumámos a Moçambique e ao seu

            porto, e capital, Lourenço Marques.Aqui todo o batalhão desfilou, perante a absoluta indiferença da população civil.

                        Novamente a bordo, fomos percorrendo a costa moçambicana, com várias paragens, até ao desembarque

            em Mocimboa da Praia, onde chegámos a  10 de Maio.

                                                                                José Fernando Pascoal Monteiro ( Ex-Furriel Miliciano )

                                                                                Linda - a - Velha, Agosto de 2011

   
Regressar ao cantinho do Monteiro