Um exército


                Enquanto estive na zona de intervenção de  Mueda,  Maio/67 a Junho/68, sempre disse, por brincadeira,

        expressões como " Vai para o mato malandro " ou " Fica aí na protecção do arame ", no entanto sempre

        compreendi que um exército, ou qualquer arma, não é composto por apenas malta do gatilho. O que seria feito

        da malta do mato sem os padeiros, que bom que me souberam os casqueiros que  comi à chegada de operações.

       O que seria  sem os médicos e enfermeiros, sempre prontos e preocupados. O que seria  sem os jovens de transmissões

        que, mesmo sem rádios de qualidade, nos auxiliavam especialmente quando pediamos socorro, O que seria sem os homens

        do SPM, que nos entregavam o precioso correio, com noticias dos nossos familiares. O que seria sem os homens da Intendência,

        que no minimo nunca nos faltou com cervejas. O que seria sem os homens  que, percorrendo várias picadas, nos forneciam os

        viveres, quando havia. O que seria  sem os condutores, especialmente depois de dias a caminhar, que nos vinham apanhar

        para nos levarem para o quartelamento, O que seria sem os homens das cantinas e messes, onde muitas vezes matávamos

        a fome e a sede e , sobretudo, conviviamos. O que seria sem ............

                Chamam-lhe Logistica, sem ela não existiam os homens do gatilho.

       
Regressar ao cantinho do Monteiro