Esta noite estive em Mueda


                Esta noite estive em Mueda, encontrei-me com os meus companheiros e amigos na flatt nº 2. Ali estavam o Adolfo, o

        Ribeiro, o Zé Ferreira, o Eurico, o Andrade e o Valério Pereira. Devia ser dia de festa, pois estavam alguns convidados especias

        tais como o  Carlos Westermam e o  Boaventura Gaspar. Bebemos umas cervejolas ( muitas ) e enganamos os estomagos com qualquer coisa

        trazida , como sempre , pelo vaguemestre.

                Falei com todos, rimo-nos de situações passadas e os homens das anedotas fizeram jus ao seu jeito, só que devia ser

        uma noite especialmente negativa para o Adolfo e para o Eurico, não quiseram falar comigo ou não me ouviam, ainda lhes falei directamente:

        - Adolfo, canta um faducho para nós, com a tua voz de tenor.

        - Eurico, distribui alka seltzer à rapaziada, que amanhã estamos de ressaca.

                Foi tudo em vão, eles estavam ali, bem os vi, mas não quiseram falar comigo.

            Passei pela cantina e estive com a malta da minha secção.Lá estavam o Amadeu Lopes ( Vila Real ), o  Vilas Boas, o Fonseca, o Urze,

        o Pereira e outros. Despejamos umas basucas e notei que o Vila Real e o Vilas Boas não me falavam, estavam  ali perfeitamente ao meu lado,

        ainda disse a um deles:

        - Vilas Boas, tu que andaste sempre comigo a montar e desmontar armadilhas, o que se passa??????????

        Não obtive resposta, mas que coisa curiosa, estaria eu a  constituir um grupo de não amigos?????????

            Voltei para a flat, no percurso encontrei-me com o António Mateus, que anda a convencer-me para ir de férias com ele, á Metrópole,

        encontrei-me com o Lemos, que quer ir de férias comigo para Nampula e ainda passei pelo Lopes e pelo Sintra , estes então nem sequer me falaram.

            Na fllat, a noite já ia alta, mas as cervejolas continuavam a querer limpar as gargantas. Vi o Gaspar a um canto, já com uns

        "olhos pequeninos", provavelmente a lembrar-se das noites de estudante em Coimbra e perguntei-lhe directamente:

    -  Boaventura Gaspar,  serei eu que estou com os copos ou alguma malta não quer falar comigo????????

    - Quem não quer falar contigo, Monteiro??????

    - Aqui, respondi eu, O Eurico e o Adolfo, antes de vir para aqui passei pelo Lope se pelo Sintra, que nem me falaram, e aconteceu também com dois camaradas

    da minha secção.

    - Monteiro, respondeu o Gaspar, com voz calma e serena, tu podes estar com os copos mas não te podes esquecer que os mortos não ouvem nem falam.

    Eles estão sempre presentes connosco e continuam a viver aquilo que nós vivemos.

                Acordei, o sacana do cão do meu vizinho da frente, tinha o despertador para muito mais cedo.

                Levantei-me, mal me ergui as costas continuaram a doer-me, Afinal foi um sonho. É bom que os dias se vão passando, e que estes se

        vão somando trazendo anos aos anos.


                                                    Linda-a-Velha, Junho de 2016

Voltar ao Cantinho do Monteiro