Desafio:

Utilizando a ferramenta de Escrita Criativa “intertexto” (frases existentes noutro texto), construir um texto novo.

Este poema é uma homenagem ao soldado do Batalhão de Caçadores 1916, Hélder Feitais Pereira, que em Mueda (Moçambique) foi atingido por um tiro de uma G3, empunhada por um camarada e amigo de infância, numa estúpida brincadeira dentro da caserna. O dia em que assisti à agonia desse soldado, jamais o esquecerei…

 

 

 

            Transcrição dos poemas-tema  para o texto:

                                   

No plaino abandonado                                  No plaino abandonado

Que a morna brisa aquece,                           Que a morna brisa aquece

De balas trespassado,                                     De varas trespassado

- Duas de lado a lado -                                  - Duas, de cada lado

 Jaz morto, e arrefece.                                   Jaz exposto e arrefece.

 

Raia-lhe a farda o sangue,                            Raia-lhe a farda o sangue

De braços estendidos.                                    Da quádrupla função.

Alvo, louro, exangue,                                                Nórdico mouro exangue

Fita com olhar langue                                   Fita com olhar langue

E cego os céus perdidos.                               O que ainda tem na mão

 

 

Tão jovem! Que jovem era!                           Que varonil quimera!

Agora, que idade tem?                                  Agora, que vara tem?

Filho único, a mãe lhe dera                           Filho único, a mãe lhe dera

Um nome, e o mantivera -                             Um nome, e o mantivera:

«O Menino de sua Mãe»...                            O menino de sua mãe.

 

Caiu-lhe da algibeira                                     Caiu-lhe da algibeira

A cigarreira breve.                                        A lapiseira breve.

Dera-lhe a mãe. Está inteira                         Dera-lhe o pai. Está inteira

E boa a cigarreira.                                        E boa a lapiseira,

Ele é que já não serve(...)                              Ele é que já não escreve(…)

 

Fernando Pessoa                                            Mário Cesariny de Vasconcelos

In Poesias                                                      In a Virgem Negra



                                  

In Memoriam

 

 

Daqueles que a maldita guerra

Destruiu na juventude

Como se fora uma fera,

Vejo-o, no olhar que desespera,

Pálido, inerte, sangrando.

Tão jovem! Que jovem era!

 

E o destino que encerra,

Tanta, tanta atrocidade,

Levou-o a cair por terra

À bala que lhe coubera

Dum amigo da mocidade.

Tão jovem! Que jovem era!

 

Jaz morto e arrefece

“O Menino de sua Mãe”!

E o amigo enlouquece

Pelo acto irreflectido.

E de alma, destruído,

Quisera morrer também!

                                                                                    Diamantino A. Santos

 


Regressar ao Cantinho do Diamantino