A guerra


            Todos nós, que fizemos o serviço militar entre 1961 e 1974, e que estivemos nas antigas Provincias

    Ultramarinas, praticamos actos, ou observamos, que em condições normais não praticariamos ou não eram

    observados.O simples facto de haver guerra, transforma o ser humano, torna-o agressivo, molda-o e acentua-lhe

    a irracionalidade, a superioridade perante o adversário quando faz dele prisioneiro. Quando um dos nossos morre,

    passamos fácilmente a linha que nos torna quase selvagens e o odio facilmente aparece.

        Actos de irracionalidade foram praticados nas nossas três frentes de combate, tal como foi desumano chamarem-nos

    para defendermos, aquilo que mais tarde concluimos, que não tinha defesa possivel.

        Sem guerra, não seria normal colocar uma granada defensiva no meio de inimigos mortos, para que provocasse mais

    mortes, quando viessem procurar pelos corpos.Sem guerra, não seria normal, que perante um corpo de um guerrilheiro

    acabado de morrer, retiraram  as botas e lhe defecam  em cima. Sem guerra, não tinham morto uma criança, com uma

    catana, apenas com o argumento de que mais tarde seria um " turra ". Sem guerra, ninguém tinha abusado sexualmente

    de uma prisioneira, e muito menos já em avançada idade. Sem guerra, não teria havido tantos a  invocar o nome " MÃE ",

    em muitas situaçõs já a última palavra a pronunciarem. Sem guerra, não teriam por lá ficado cerca de 9.000 dos nossos

    camaradas, que viram interrompidos para sempre  os melhores anos  da vida. Sem guerra, muitos , da nossa geração, não

    teriam vindo com graves problemas físicos e psicológicos.Sem guerra, o  soldado não teria perguntado ao graduado

    do pelotão, " O que faço com ele " e não teria ouvido a resposta " Da-lhe um tiro ", tiro esse que ainda hoje, passados

    cinquenta anos, ainda é ouvido pelo ex-graduado.

        A guerra não é apenas a ausência de paz, a guerra modifica o ser humano.

        Os que regressaram, regressaram modificados, todos nós.

 
Regressar ao Cantinho do Monteiro